Vera- Auguste de Villliers de L’Isle-Adam

Ele observava pela janela a noite avançando pelo céu. E a noite lhe parecia íntima, ele a enxergava como uma rainha que caminhava com melancolia, exilada, com diamantes cintilando em sua túnica de luto; Vênus solitária que reluzia acima das árvores, perdida na profundidade do azul. — É Vera—pensou.

Conde Magnus- M.R.James

Posso ter-me comportado como um covarde, mas por nada eu ficaria ali mais um momento sequer. Saí daquele edifício pavoroso mais rapidamente do que escrevo estas palavras—mais rápido do que posso descrever— mas, e isso é o que mais me apavora, não consegui virar a chave na fechadura para trancá-lo

Site criado com WordPress.com.

Acima ↑